I'm Not Bossy, I'm The Boss - Sinéad O'Connor | LAB 344 - O selo mais indie do Brasil
Lab Radio - clique para ouvir

Em Breve

Perpetual Gateways Deluxe dez 2016 Ed Motta Disco Classics nov 2016 Donna Summer Código Dáúde Remixes nov 2016 Daúde

Sobre o Título

I'm Not Bossy, I'm The Boss Sinéad O'Connor

I'm Not Bossy, I'm The Boss | Sinéad O'Connor Sinéad O'Connor lança seu melhor álbum em anos! BILLBOARD

Sinéad O'Connor celebra 30 anos de carreira lançando seu 10º álbum de estúdio intitulado I'm Not Bossy, I'm The Boss, sucessor de How About I Be Me (And You Be You)?, lançado em 2011. Segundo a própria artista, apesar do título sugestivo, esse novo álbum é uma coleção de "canções de amor" sobre vários personagens femininos, cujas histórias evoluem ao longo das 12 faixas do álbum.

Ao mudar o título de The Vishnu Room para I'm Not Bossy, I'm the Boss (insPirada na campanha Ban Bossy, estrelada por Beyoncé) Sinéad O'Connor reinventou seu trabalho, fazendo dele não um manifesto feminista, mas uma manifestação de seu feminismo e feminilidade individuais.

Todos os temas clássicos que Sinéad aborda desde sua estreia estão presentes: religião versus espiritualidade, o passado e seus fantasmas, e relacionamentos enquanto fonte tanto de perturbação quanto de redenção. A diferença é que aqui a sexualidade tem mais força, como se a experiência tivesse despertado instintos mais passionais - ou pelo menos libertado eles de vez.

E apesar do tom predominante ser o pop, as guitarras de I'm Not Bossy, I'm the Boss também vão a lugares mais pesados, como no blues rock de The Voice Of My Doctor ou na explosão da segunda metade de Harbour. Há os elementos orientais de sempre, mas também há elementos de funk, como em James Brown. Em Take Me To Church, Sinéad expressa um sentimento de arrependimento em versos sussurrados. "Eu não quero amar como amei / Não quero amar daquela forma de novo". A cantora não se furta de colocar guitarras quando o refrão chega, mas tudo é leve como um barquinho flutuando em uma correnteza pop moderada.

A capa do álbum e o figurino do clipe de Take Me To Church surpreendem ao apresentar a artista abraçada a uma guitarra, claramente maquiada, com uma peruca de cabelos lisos e escuros, além de um justo vestido de preto de látex. A ideia, segundo confessou O'Connor, veio de uma batalha dialética que manteve com Miley Cyrus, a quem criticou por recorrer ao sexo para promover seu novo álbum, cujo clipe de um dos singles foi considerado plágio de Nothing Compares 2 U.

(Fontes: Território da Música, Boston Globe, Billboard, Rolling Stone, The Associated Press)
Track List:
01. How About I Be Me
02. Dense Water Deeper Down
03. Kisses Like Mine
04. Your Green Jacket
05. The Vishnu Room
06. The Voice of My Doctor
07. Harbour
08. James Brown (com Seun Kuti)
09. 8 Good Reasons
10. Take Me to Church
11. Where Have You Been?
12. Streetcars

Informações:
Perfil do Artista

Downloads:
Para baixar, clique no item com o botão direito e selecione "Salvar Destino Como..."

baixar capa baixar release

Outros Títulos:
How About I Be Me (and you be you)? | Sinéad O'Connor
How About I Be Me (and you be you)? Info

Lançamentos

These Systems are Failing | Moby Monolith of Phobos | The Claypool Lennon Delirium Ballads | Simply Red Orders of Magnitude | Information Society Man About Town | Mayer Hawthorne Nothing Where Something Used to Be (Steve Osborne Remix) - Single | Vanessa Carlton George Fest: A Night To Celebrate The Music of George Harrison | Vários Artistas Perpetual Gateways | Ed Motta Pontos Cardeais | Pedro Mariano Cosmic Love (single) | Mayer Hawthorne Liberman | Vanessa Carlton Agbara Dudu | Serjão Loroza 1000 Palms | Surfer Blood True Romance | Estelle Pagans in Vegas | Metric Almost Loved (Single) | Moby Unbreakable | Janet Jackson The Light Is Clear In My Eyes (Single) | Moby Savage Hills Ballroom | Youth Lagoon

Vídeo em Destaque

Ed Motta | Captain's Refusal Captain's Refusal
Ed Motta